ionline.sapo.ptionline.sapo.pt - 5 jul. 12:50

NOS Alive. O ambicioso regresso ao Passeio Marítimo de Algés

NOS Alive. O ambicioso regresso ao Passeio Marítimo de Algés

Strokes, Stromae, Metallica ou Da Weasel são apenas alguns dos nomes que vão marcar presença no regresso do NOS Alive depois de uma interrupção de dois anos.

Depois de dois anos de uma interrupção involuntária devido à pandemia provocada pela covid-19, o Passeio Marítimo de Algés vai voltar a receber o NOS Alive, entre os dias 6 e 9 de julho, com uma ambiciosa edição que, desta vez, se expande em quatro dias e que vai trazer artistas dos mais variados estilos aos seus seis palcos: o Palco NOS, Heineken, WTF Clubbing, Coreto, Comédia e EDP Fado Café.

O primeiro dia do festival oferece uma proposta que deixou os fãs a salivar: o regresso dos Strokes, uma das bandas de rock mais influentes deste século, depois de terem estado no Super Bock Super Rock em 2011. A banda de Julian Casablancas, autor de discos como Is This It (2001), selecionado pela revista Rolling Stone como um dos 500 melhores discos de sempre, ou The New Abnormal (2020), disco mais recente do grupo, motivará certamente uma onda de fãs a aguardarem o dia todo junto às grades do Palco NOS para conseguir ver a sua banda de eleição frente a frente. 

Mais tarde, no mesmo palco, o rapper belga, Stromae, marcará presença para apresentar o seu mais recente disco, Multitude, lançado este ano (depois de um longo hiato do belga), um disco bastante elogiado pela crítica pela forma como o músico foi capaz de fazer coexistir a eletrónica e hip-hop que marcaram a sua discografia com diversas influências de estilos musicais de todo o mundo, como o baile funk ou afrobeat, inspirado pelas viagens que fez durante a infância com a sua família. 

A completar o alinhamento do palco principal, estão ainda três nomes bastante distintos, os War on Drugs, que vem apresentar o seu mais recente disco I Don’t Live Here Anymore (2021), onde continuam a explorar a sua mistura de folk rock com texturas ligadas ao psicadélico e ao indie, os Jungle, que no ano passado lançaram o seu terceiro disco, Loving in Stereo, e que prometem um concerto repleto de dança e corpos a mexer, e a brasileira Mallu Magalhães, também com um novo disco pronto a ser cantado, Esperança (2021).

No palco Heineken, podemos encontrar um pouco de tudo, os fãs de música rock podem ouvir a banda de culto Modest Mouse e uma das novas coqueluches britânicas do Post-Brexit Punk, Fontaines D.C., a eletrónica de Parov Stelar ou o indie pop de Clairo. Para quem quiser continuar a bater o pé, o WTF Clubbing vai contar com a presença de artistas portugueses como EU.CLIDES, Da Chick ou Moullinex e também os hipnotizantes franceses, Acid Arab. No Palco Comédia destaque para a presença de Tio Jel, enquanto Cuca Roseta é o nome grande no EDP Fado Café.

O regresso de Florence and the Machine a Portugal, que vai acontecer no segundo dia do NOS Alive, é também um dos grandes destaques da presente edição do festival, nomeadamente, numa altura em que a banda de Florence Welch lançou Dance Fever, o seu mais recente disco, que está a ser classificado como um dos melhores da discografia dos ingleses.

Os queridos do indie rock, Alt-J, uma das grandes promessas do R&B britânico, Jorja Smith, que marcou presença no festival em 2019, na altura no palco Sagres, a vencedora do prémio Rising Star nos Brit Award em 2020, Celeste, e os portugueses Os Quatro e Meia completam o alinhamento do palco NOS. 

Um dos grandes destaques do Palco Heineken é Nilüfer Yanya, cantora britânica de 27 anos com origens dos Barbados e Turquia (que ocupa uma grande influência na música da cantora), que este ano lançou o seu terceiro disco, PAINLESS, com um som bastante particular que se inspira no indie rock, soul, R&B e música clássica, que servem de pano de fundo para a sua impressionante voz. O português Dino D’ Santiago, que no ano passado lançou o aclamado disco, Badiu, os britânicos Glass Animals e o homem mais simpático do blues rock, Seasick Steve, com 71 anos, são outros grandes nomes que irão marcar presença neste palco. 

No palco WTF Clubbing, há uma grande aposta para a música portuguesa, com artistas como Pedro Mafama, Rita Vian, Branko, Batida e Fogo Fogo a prometerem meter os corpos a dançar. 

Herman José é o grande destaque neste dia do Palco Comédia, enquanto Sara Correia vai atuar por duas vezes no EDP Fado Café.

O terceiro dia do festival é marcado por um regresso, um regresso da música “pesada”, liderado pelos pioneiros do trash metal, Metallica. Uma das bandas de heavy metal mais famosas do planeta, o grupo vai liderar o cartaz no dia 8 de julho, que faz recordar quando o festival de Algés costumava ter um dia dedicado aos fãs de rock e metal, contando ainda com a dupla de hard rock inglesa Royal Blood, constituído apenas por um baixista e bateria, respetivamente, Mike Kerr e Ben Thatcher, e o rock alternativo de Don Broco. 

A completar o alinhamento do palco principal está ainda o rapper AJ Tracey, considerado um dos melhores artistas jovens pelo Guardian, em 2016, e deveria ainda estar o aclamado rapper Stormzy, mas a sua atuação foi cancelada por “motivos alheios à organização”, alertou o festival numa mensagem publicada nas redes sociais.

Entretanto, o Palco Heineken conta com a presença de duas artistas que, muito facilmente, poderiam estar também no maior palco do festival, como a artista inglesa com origens do Sri Lanka, M.I.A., autora da inconfundível Paper Planes, e uma das mais influentes artistas do rock alternativo deste século, St Vincent. A recordar que os Três Tristes Tigres, que lançaram o excelente Mínima Luz em 2020, também vão estar neste palco. 

A aposta do WTF Clubbing neste dia são jovens nomes do hip-hop português, como Holly, T-Rex, Lon3r Johny ou Yuri NR5.

No derradeiro dia do festival, o grande destaque do palco principal vai cantar em português, servindo como uma celebração para marcar o regresso aos palcos dos Da Weasel, grupo pioneiro de hip hop e rap em Portugal, no mesmo dia que o palco NOS oferece umas propostas mais pop, com os Imagine Dragons, o indie pop de Two Door Cinema Club e as irmãs Haim e o indie rock de Mother Mother.

O palco Heineken volta a oferecer uma das programações mais interessantes do festival, com um dos seus principais destaques a ser a inclusão de Phoebe Bridgers, uma estreia em Portugal, que irá apresentar o seu aclamado disco mais recente, Punisher (2020). Ainda neste espaço, vamos contar com a presença de mais um nome forte da música portuguesa, com Manel Cruz, e dois nomes que prometem muita dança, os Parcels e os Caribou.

Já o Palco Coreto vai contar com um dia dedicado a artistas mulheres, convidando músicas como Raquel Martins, uma das maiores promessas da música nacional, a viver e a colaborar com artistas no Reino Unido, a DJ brasileira King Kami ou a rapper portuguesa Russa.

NewsItem [
pubDate=2022-07-05 11:50:00.0
, url=https://ionline.sapo.pt/artigo/775365/nos-alive-o-ambicioso-regresso-ao-passeio-maritimo-de-alges?seccao=Portugal_i
, host=ionline.sapo.pt
, wordCount=1124
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2022_07_05_2100220398_nos-alive-o-ambicioso-regresso-ao-passeio-maritimo-de-alges
, topics=[nos alive, metallica, da weasel, stromae, algés]
, sections=[]
, score=0.000000]