observador.ptObservador - 5 jul. 00:14

Um semestre de milhões a voarem pela janela

Um semestre de milhões a voarem pela janela

Nos seis primeiros meses de 2022, Portugal teve de importar de Espanha 21% da electricidade que consumiu. Isto significa, que Portugal importou de Espanha mais de mil milhões de euros em electricidade

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

No passado dia 20 de Junho, o Governo dos Países-Baixos, juntou-se à Alemanha, Áustria e Itália, no anúncio da tomada de medidas para reactivar as centrais eléctricas a carvão. Estes anúncios surgem em consequência da redução drástica do abastecimento de gás, pela Gazprom, à Europa.

Estas medidas, são ainda mais emblemáticas quando o Ministro do Ambiente e Alterações Climáticas da Alemanha, Robert Habeck é do partido dos Verdes e refere que a perspectiva de reactivar as centrais carvão é “amarga, mas essencial”, tendo acrescentado que “Para reduzir o consumo de gás, menos gás deve ser usado para gerar electricidade. Em vez disso, as centrais a carvão terão que ser mais usadas”.

Entretanto, em Portugal, o primeiro semestre chegou ao fim e com ele, a demonstração que todas as tendências e previsões negativas relativamente ao sector energético nacional vieram concretizar-se. Assim, e de acordo com os dados públicos disponibilizados pela REN, nos seis primeiros meses de 2022, Portugal teve de importar de Espanha 21% da electricidade que consumiu, num total de 5.375 GWh. Isto significa, que Portugal importou de Espanha mais de mil milhões de euros em electricidade.

Este facto não é particularmente surpreendente, isto apesar do valor assustador, visto que nos últimos quatro meses de 2021, este valor ascendeu a 500 milhões de euros, tal como tinha referenciado num artigo de opinião publicado, no mês de Fevereiro.

Igualmente, e como referenciei à data, este déficit eléctrico prende-se com o baixo índice de pluviosidade registado (falta de chuva), que por sua vez afecta gravemente a produção hidroeléctrica, o que associado ao encerramento das centrais a carvão de Sines e do Pêgo a destempo, colocou Portugal, pela primeira vez nos últimos vinte anos, fortemente dependente de Espanha para satisfazer o consumo nacional de electricidade. Novamente, a Direcção Geral de Energia e Geologia, já tinha alertado para este forte risco, quando no Relatório Monitorização e de Segurança de Abastecimento (RMSA), publicado em 2021, já identificava um maior risco no sistema eléctrico devido ao encerramento das centrais a carvão“cujo efeito potencial é mais significativo por causa do atraso na entrada em operação da grande hidroeléctrica de bombagem do Alto-Tâmega”.

Os motivos directos que levam à retoma de laboração das centrais a carvão na Europa central, são claramente diferentes daquilo que se passa em Portugal, no entanto, isto não significa que o sistema eléctrico nacional não possa vir a ser afectado pelo que está a ocorrer no centro da Europa.

Muito interessante é perceber aquilo que se passa em Espanha (único fornecer externo de electricidade), em que o saldo importador mantém-se sensivelmente neutro, isto apesar das exportações para Portugal, o que significa que parte da electricidade vendida a Portugal é compensada por compras a França (país onde mais de 70% da electricidade é de origem nuclear). Eventualmente, será aqui onde poderá ocorrer uma ruptura no abastecimento, designadamente com o mais que previsível racionamento energético que deverá ocorrer a partir do Outono, e para o qual a EDF, Total e Engie já chamaram a atenção, quando, em 27 de Junho, anunciaram uma trégua concorrencial entre as empresas e lançaram uma campanha de poupança de energia, dirigida aos consumidores franceses.

O actual Governo, através do Ministro do Ambiente, quando questionado, pela imprensa, perante a possibilidade de reactivação da produção eléctrica a partir de carvão, limitou-se a repetir as mesmas declarações anteriores e nas quais afirma “Não pretendemos reativar as centrais a carvão que tantos, tantas vezes, insistem que consideremos. Os defensores de uma economia dependente e de uma descarbonização adiada nem pensam no preço absurdo que a eletricidade atingiria, tendo em conta os seus custos da produção, e também não consideraram a falta de segurança que representaria a dependência de um mercado, o do carvão, dominado pela Rússia”. Naturalmente que estas afirmações são facilmente contestadas, visto existirem medidas de mitigação, nomeadamente ao nível do preço, com uma possível isenção ou redução do ISP, sendo igualmente de salientar que o mercado do carvão não é dominado por nenhum país em particular e muito menos pela Rússia.

Perante este cenário assustador, é importante que Portugal não fique à espera de que a meteorologia vá de encontro às necessidades do sistema eléctrico nacional, caso contrário, para além desta desgraça económica, que é perder mais de mil milhões de euros em apenas seis meses, poderemos deparar-nos com o racionamento de electricidade. É assim importante, que o Governo não mantenha a posição dogmática, emocional e de negação da realidade e que dê ouvidos aos variados técnicos que chamam a atenção para o grave problema que se vislumbra a partir do Outono. E que avalie seriamente alternativas para o profundo déficit eléctrico nacional, mesmo que passem pela reactivação da central do Pêgo e mesmo que lhe possa custar tanto como ao Ministro do Ambiente e Alterações Climáticas da Alemanha, porque é nos momentos difíceis que se tomam decisões difíceis.

NewsItem [
pubDate=2022-07-04 23:14:57.0
, url=https://observador.pt/opiniao/um-semestre-de-milhoes-a-voarem-pela-janela/
, host=observador.pt
, wordCount=814
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2022_07_04_1088280791_um-semestre-de-milhoes-a-voarem-pela-janela
, topics=[opinião, energia, eletricidade]
, sections=[opiniao]
, score=0.000000]